Eu te amo, mas escolhi a boemia


4

Um semestre de neura e aflição
Uma quinzena de alienação
Pode também chamar de reflexão
Só não chame de rebelião

Ih, tá rimando
Deixa rimar, deixa estar
Ah, eu não tô mais ligando
Deixa estar, deixa rimar

Mas que bosta, a rima é pobre
Quis fazer rima rica naquele dia
Quando te vi na encosta, roubando cobre
Sua feição antipática enquanto eu ria

Eu me lembro que ao me despedir
Um desgraçado mudou meu caminho
Disse a todos que ia dormir
Ao invés disso entornei um vinho

Então que todos os Egos
E, por que não, todos os elos
Arranjem para suas almas uma bóia
Porque eu vou afogá-las, sem metanoia

Talvez você se pergunte
E quanto a Tu?
Peço que os fatos você junte
Não rima com Belzebu?

Ah só a boemia
Pra me livrar dessa agonia
De elaborar mais uma teoria
Bem temperada com ironia

Vou então pra Porto Seguro
Vou à busca da serenidade
Não é minha culpa ser tão imaturo
A ponto de crer na humanidade

4 Response to "Eu te amo, mas escolhi a boemia"

  1. Anonymous says:

    Du hast sehr gute idee!!

    Esthefânia says:

    Dava um sambinha hauhahauhaua

    Da sua despedida eu me lembro
    Me disse que iria dormir
    Saiu tão rápido do msn
    Que nem deu tempo de me despedir

    Comigo, quieta, pensei
    "Coitado, deve estar muito cansado!"
    Mas me enganei
    Você teve o caminho desviado

    Vinho de quando em vez é bom
    Combina com uma partida de buraco
    Mas é importante controlar
    Senão o jogo vira um fiasco

    Não sei porque falei de jogo
    Também já não sei o que mais fazer
    Parei pra atender o telefone
    E esqueci o que eu ia dizer

    Você conseguiu o queria
    Fez um texto divertido
    É bom as vezes brincar com as rimas
    Mesmo que elas não façam sentido

    Pra vc, meu caro amigo
    Eu deixo minhas rimas infantis
    Pode rir das minhas bobagens
    Foi com a intenção de te deixar mais feliz

    Leandro says:

    "Why So Serious?" Go ahead..and enjoy the trip! =)